Artigo

Tudo o que você precisa saber sobre olheiras

Uma noite mal dormida pode fazer com que na manhã seguinte ao olhar no espelho você veja as temidas olheiras. Geralmente, essas manchas abaixo dos olhos são passageiras e ao retornar a rotina de sono, elas desaparecem, mas o que fazer quando elas persistem?

Há diferentes causas que influenciam no surgimento das olheiras, e elas vão além das noites mal dormidas. A rotina, os alimentos que costuma ingerir, hábitos diários, são determinantes para seu aparecimento e o pior é que conforme o tempo passa, elas tendem a ficar mais evidentes. 

Isso demonstra que, em muitos casos, as olheiras indicam a necessidade de mudança no estilo de vida, como melhora nos hábitos do sono ou alteração na dieta. Continue lendo o post, entenda mais sobre o tema. Como surgem, os melhores tratamentos, qual médico procurar e o que evitar para não agravar o problema. Boa leitura!

Design sem nome 79

As olheiras são máculas ou manchas abaixo dos olhos, na região das pálpebras, que apresentam diferentes colorações conforme o tom natural da pele. Costumam ser cinzas, avermelhadas, violáceas, castanhas ou marrons. 

Essa coloração escura é resultado de uma combinação de fatores, como vasos sanguíneos mais evidentes, pigmento da pele (melanina) que se concentra abaixo das pálpebras, fluido que se acumula na parte mais sensível da pele e aumento da espessura da pele.

Em alguns casos é perceptível na infância, principalmente quando associada a predisposição genética com incidência hereditária. Em outras palavras, se alguns parentes próximos apresentam olheiras marcantes, possivelmente você também irá desenvolvê-las, principalmente se manter hábitos pouco saudáveis. 

Existem basicamente quatro tipos de olheiras. São elas:

Profundas ou estruturais Esse tipo de pigmentação é formada por uma área profunda abaixo dos olhos devido à predisposição genética, por isso é comum seu aparecimento ainda na juventude. Possuem coloração castanha e são mais evidentes porque a cavidade do globo ocular é mais profunda, o que cria uma sombra.
Pigmentadas Acomete tanto as pálpebras inferiores, quanto as superiores devido à alteração da pigmentação. Pode ter ligação com a predisposição genética, mas também está relacionada à exposição solar sem proteção. Apresenta coloração amarronzada por conta do acúmulo de melanina na pele fina dos olhos, sendo mais comum em pessoas com pele negra e morena.
Vasculares As olheiras vasculares são resultado da circulação sanguínea deficiente na pálpebra inferior, dessa forma, pessoas que já possuem a tendência a desenvolver problemas circulatórios nessa região apresentam as olheiras. Sua coloração mais comum é a azulada, avermelhada ou roxa. Esse também é o tipo de olheira que acomete as pessoas que dormem pouco ou passam por problemas de estresse.
Olheiras mistas As olheiras mistas são uma mistura de um ou mais tipos acima. Como cada tipo tem uma característica, elas costumam ter a coloração daquela que é mais forte. O tratamento também é mais difícil, uma vez que haverá mais de uma frente de ação.

Quais as causas das olheiras?

As causas mais comuns para o aparecimento de olheiras são: 

  • falta de sono regular ou hábitos ruins de sono;
  • alergias, incluindo as rinites alérgicas, como a febre do feno;
  • redução dos níveis de tecido adiposo ao redor dos olhos;
  • afinamento da pele das pálpebras;
  • anemia por falta de ferro no sangue;
  • exposição excessiva à luz solar;
  • ato de coçar ou friccionar os olhos;
  • envelhecimento natural;
  • consumo de alimentos ricos em açúcar, gordura ou sal;
  • consumo em excesso de álcool ou tabaco;
  • irregularidades na pigmentação;
  • pouca ou nenhuma atividade física;
  • problemas na tireóide;
  • desidratação;
  • alguma dermatite;
  • tratamento com colírio para doenças como o glaucoma. 

 

Além das causas comuns, existem determinados fatores considerados de risco para o aparecimento das olheiras, como:

  • Idade avançada – a idade vem com a perda natural do tecido adiposo, o que causa o  afinamento da pele ao redor dos olhos. Essas mudanças podem fazer com que as olheiras pareçam mais definidas em adultos mais velhos. 
  • Etnia não branca  – olheiras são evidentes em pessoas com tons de pele mais escuros devido à maior produção de melanina. 
  • Genética – olheiras podem ser hereditárias.
Design sem nome 70

O que é bom para olheiras

Como tirar olheiras? O primeiro passo é identificar o tipo de olheira e a partir daí definir a melhor estratégia.

O médico que trata olheiras é o dermatologista. É ele quem vai fazer a avaliação do paciente, orientar sobre quais medidas tomar, bem como os tratamentos mais eficientes para cada caso e seu acompanhamento. 

Entre as medidas/terapias mais eficazes temos:

Compressa fria

Essa medida reduz as manchas causadas pelo sono de baixa qualidade. É uma solução temporária, mas que pode ajudar se associada a outros cuidados como a melhora da qualidade do sono. 

Basta colocar cubos de gelo em uma toalha limpa e aplicar sob os olhos por aproximadamente 20 minutos. 

Melhora na qualidade do sono

O ideal é que a pessoa durma entre 6 e 8 horas diárias sem interrupções. Se algo atrapalha esse sono, como insônia, é necessário buscar ajuda com o médico neurologista. 

Melhora dos hábitos alimentares

Além de evitar alimentos ricos em gordura, sal e açúcar, é importante consumir alimentos ricos em Vitamina C, E e K, como laranja, cenoura, carne vermelha (preferência orgânica), batata doce, couve-flor, peixes, entre outros. Considere também realizar a prática de atividades físicas, começando pela caminhada. 

Cremes e pomadas

As soluções tópicas (cremes, pomadas, géis e séruns) são comumente receitadas pelo dermatologista quando a causa é a hiperpigmentação. Entre os agentes ativos dessas soluções estão a hidroquinona, o ácido kójico e a tretinoína. 

Essas substâncias agem na síntese da melanina, reduzindo a atividade dos melanócitos na região hiperpigmentada. A vantagem é que além de reduzir as olheiras, o creme para olheiras também melhora o aspecto da pele, como elasticidade e tônus. 

Laserterapia

O laser é indicado para todos os tipos de olheiras, pois age de diferentes formas de acordo com a especificidade das manchas. Em geral, os feixes de luz gerados pelo aparelho são capazes de quebrar o pigmento de melanina presente nas manchas ou ainda reduzir a dilatação dos vasos sanguíneos. 

Trata-se de um procedimento relativamente simples, que não compromete a área ao redor dos olhos, visto que os feixes de luz são direcionados e altamente precisos. Cada sessão dura pouco mais de 20 minutos e em poucas sessões já é possível notar os resultados.

Luz Pulsada

O tratamento de luz pulsada age sob as moléculas de pigmento dentro da pele. Ao absorvê-los os pigmentos são quebrados e assimilados pelo sistema linfático e eliminados pelo organismo. 

Assim como a laserterapia é um procedimento seguro, quase indolor e muito eficiente no tratamento de olheiras e outras manchas cutâneas. São necessárias de 3 a 10 sessões para sanar o problema, mas é importante manter hábitos saudáveis para evitar o seu retorno. 

O tratamento com luz pulsada também faz bem para a cútis, pois estimula a produção de colágeno novo e elastina, o que melhora o aspecto da pele em geral. 

Ácido hialurônico (preenchimento de olheiras)

É comum ver na internet tratamentos como o preenchimento de olheiras antes e depois. É realmente uma técnica eficaz para o clareamento e uniformização dos tons de pele. O ácido hialurônico é uma substância produzida naturalmente pelo nosso organismo, mas que com o tempo se torna mais escassa. É responsável por manter a pele hidratada, com maior elasticidade e com menos rugas. 

A aplicação do ácido hialurônico na região das olheiras vai reduzir a hiperpigmentação, restaurando o volume da pálpebra inferior e reduzindo o aparecimento dos vasos sanguíneos de modo a clarear o local. 

Trata-se de um procedimento que deve ser realizado em consultório dermatológico e por um profissional qualificado. Cada sessão dura pouco mais de 20 minutos e não há necessidade de afastamento das atividades do cotidiano. 

Saiba mais sobre o tratamento. 

Skinbooster

O Skinbooster para olheiras é uma solução que utiliza alguns agentes injetáveis na pele, como ácido hialurônico para a hidratação profunda. É indicado para olheiras causadas pela idade ou pelo afinamento da pele na região, o que deixa os vasos mais evidentes. 

As aplicações do produto retém as moléculas de água ao seu redor, de modo a formar um reservatório hídrico de longa duração, assim é possível aumentar a espessura da pele, sua maciez e viço. 

Saiba mais sobre o skinbooster para olheiras aqui! 

Peeling químico

O peeling para olheiras funciona como um esfoliante, que vai promover a renovação celular no local da hiperpigmentação, assim as células pigmentadas dão lugar a novas células com a tonalidade natural da pele. 

Esse tipo de peeling é considerado um peeling superficial devido à região em que é aplicado. O dermatologista utiliza diferentes tipos de ácidos em concentrações baixas, capazes de gerar o efeito esfoliante, mas sem comprometer a saúde cutânea. 

Entre os ácidos mais usados estão o ácido retinoico, ácido kójico, ácido glicólico,  ácido salicílico, tricloroacético, solução de jessner, etc. Além de reduzir as olheiras, o procedimento também aumenta a produção de colágeno novo, previne o surgimento de cravos e espinhas, e reduz a oleosidade excessiva da pele. 

Microagulhamento 

O microagulhamento (conhecido comercialmente como Dermolier) é um procedimento em que são feitas microperfurações na pele para estimular a produção de colágeno, promover a renovação celular e aumentar a viscosidade da pele. 

As micro cânulas ou micro agulhas também podem aplicar soluções como ácido tranexâmico, vitamina A e C diretamente na região, o que aumenta sua absorção pelo organismo. 

Trata-se de um procedimento totalmente seguro quando realizado por profissionais e em poucas sessões é possível notar o clareamento gradual das olheiras.

Fios de sustentação (silhouette) 

Uma das funções do fio de sustentação, comercialmente chamado de Silhouette ,é o clareamento das olheiras. A técnica consiste na introdução de pequenos fios de material absorvível pelo organismo, com o intuito de estimular a produção de colágeno. 

Assim como os demais procedimentos, deve ser realizado no consultório dermatológico, por um profissional especializado e com o uso de anestesia local. O tratamento também promove o lifting instantâneo, melhora o aspecto geral da pele, sua elasticidade e tônus. 

Os efeitos duram até 18 meses. Após esse período é necessário se submeter novamente ao procedimento. 

Jato de plasma para olheiras

O jato de plasma utiliza um aparelho chamado gerador de plasma, que em contato com a camada superficial da pele, produz uma espécie de dano termal para estimular a produção de proteínas na pele. 

Essa proteína estimula a produção de colágeno novo na região e como consequência a uniformidade da pele. Trata-se de um efeito temporário, mas que dura muitos meses e que pode ser renovado de acordo com a orientação do dermatologista. 

Blefaroplastia

A blefaroplastia é um dos últimos procedimentos, quando os demais não surtiram efeito. Trata-se de uma cirurgia que visa remover o excesso de pele das pálpebras inferiores, dessa forma, reduz o aspecto de cansaço e a pigmentação da região. 

É um procedimento cirúrgico considerado simples, mas deve ser realizado em ambiente hospitalar sob anestesia local. Não exige internação e sua duração não passa de duas horas. 

O que evitar

Muitas pessoas compartilham receitas caseiras ou caem de cabeça em remédios milagrosos que prometem uniformizar os tons de pele, mas nem sempre é uma boa ideia. Veja o que evitar para não piorar o quadro:

Carboxiterapia para olheiras 

A carboxiterapia consiste na aplicação de gás carbônico a fim de estimular a circulação. Durante muito tempo foi empregada para as olheiras, no entanto, mostrou-se ineficiente, visto que elas retornam pouco tempo após o tratamento. 

Para prolongar os resultados é necessário associa-la a outros procedimentos, e ainda assim, os resultados duram muito pouco. 

Óleo de rosa mosqueta para olheiras

O óleo de rosa mosqueta ganhou popularidade na internet nos últimos tempos como um santo remédio para uma série de problemas de pele, cabelos e unhas. Apesar disso, não há nenhuma comprovação científica de que é eficaz contra as olheiras, portanto deve ser evitado. 

Leia mais aqui! 

Receitas caseiras

Se não for compressa de gelo, evite qualquer receita caseira. Compressas de chás, tomate amassado ou outras dicas que você encontra na internet podem não trazer o resultado esperado e ainda escurecer mais as olheiras. 

O ideal é procurar o dermatologista para identificar o tipo de olheira e a partir daí dar início a um tratamento adequado. 

Design sem nome 78

Perguntas frequentes

Vamos a algumas perguntas comuns sobre o tema:

Porque não dormir causa olheiras?

Quando a pessoa não tem uma boa noite de sono, o organismo não consegue trabalhar direito, o que causa a dilatação dos pequenos vasos ao redor dos olhos. O resultado é que a região fica arroxeada por conta da pequena espessura da pele. 

Crianças podem desenvolver olheiras?

Sim, geralmente crianças apresentam olheiras quando há predisposição genética, quando não apresentam boas condições de sono ou possuem alguma alergia crônica, a exemplo da rinite, sinusite alérgica e até alergias alimentares. 

Mulheres sofrem mais que homens com olheiras?

Sim, as mulheres podem ser mais acometidas pelas olheiras devido à atividade hormonal mais ativa. O período menstrual, por exemplo, costuma aumentar o edema na região. Além disso, o uso de maquiagem quando não retirada de forma correta também contribui para o acúmulo de pigmento nas pálpebras. 

Como tratar a olheira em homens?

O tratamento de olheiras para homens e mulheres não difere. Ocorre que por questões hormonais a causa pode ser diferente, mas o tratamento é semelhante. Em ambos os casos é necessário consultar o dermatologista para avaliar o método mais adequado. 

Leia também: Como acabar com as olheiras em homens?

Agende uma consulta através do nosso WhatsApp

Dra. Juliana Toma – Médica Dermatologista pela Universidade Federal de São Paulo – EPM

Clínica no Jardim Paulista – São Paulo – SP

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica Especialista em Dermatologia pela SBD. Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês. Pós-Graduação em Pesquisa Clínica - Principles and Practice of Clinical Research - Harvard Medical School (EUA).

Deixe o seu comentário