Alergia na pele: O que são e porque acontecem

Você provavelmente já teve ou conhece alguém que tem alguma alergia na pele. Estima-se que cerca de 30% dos brasileiros convivam com alergias dos mais diversos tipos. 

Fisiologicamente falando, elas são uma reação anormal do sistema de defesa do corpo a alguma coisa. Dentre os possíveis desencadeadores deste processo, podemos citar picadas de mosquito, calor, certos cosméticos e até mesmo alguns alimentos.

O quadro clínico também é muito variável, os sintomas mais comum são manchas, coceira, descamação e urticária. Pacientes mais graves podem sofrer choque anafilático, havendo risco de morte. 

Entenda o que é a alergia na pele, porque e como elas acontecem. Além disso, conheça os tratamentos mais usados e aprenda a se prevenir.

O que é a alergia na pele?

A alergia na pele é um reflexo de uma resposta do sistema imunológico a uma possível ameaça ou a algum estímulo que ele tenha identificado como tal. É tida como uma reação anormal do corpo, já que em situações comuns, tais fatores não desencadeiam esse tipo de processo.  

Na grande maioria dos casos possui origem genética. No entanto, podem surgir em qualquer fase da vida. Sendo assim, uma pessoa que nunca teve alergia a um determinado fator, pode surpreendentemente desenvolver o distúrbio ao longo do tempo. 

Em geral, as alergias merecem atenção e cuidado. Existem diversas opções de tratamento disponíveis e ótimas formas de conviver bem com o problema, resguardando sua qualidade de vida. 

Contudo, quando não tratadas adequadamente, podem se tornar graves. Além disso, há risco de choque anafilático, uma reação alérgica súbita e generalizada que traz risco de inconsciência e morte. 

Tipos 

Existem diversos tipos de alergia na pele, a seguir falaremos um pouco sobre os 7 tipos mais comuns.

Urticária

Sem dúvidas, o tipo mais comum. Dentre os sintomas da urticária, lesões na pele, inchaço e coceira intensa. O distúrbio pode se manifestar em qualquer região do corpo, inclusive no rosto. 

Além disso, pode surgir de maneira aguda, durando apenas alguns dias, ou crônica, permanecendo por semanas e até meses. 

Suas causas também são diversas e vão desde picadas de insetos e luz solar, a produtos químicos e medicamentos.

Angioedema

O angioedema é muito comum em pessoas que possuem histórico de urticária. Em geral, o quadro é bem similar ao descrito anteriormente. No entanto, neste caso, a alergia afeta as camadas mais profundas da pele e as mucosas, em especial da boca, dos olhos e das vias respiratórias. 

Quando em áreas respiratórias, se torna um problema grave, havendo ainda risco de choque anafilático.

Dermatite de contato

A dermatite de contato é uma alergia de pele bastante conhecida. Suas manifestações clínicas incluem erupções cutâneas, bolhas e vermelhidão. 

Como o próprio nome nos leva a pensar, é ocasionada pelo contato entre a pele e alguma substância irritativa. 

Suas causas são diversas, as mais comuns são detergentes, shampoos, metais, medicamentos tópicos e látex.

Dermatite atópica

A dermatite atópica é uma condição crônica muito popular. Na maioria dos casos aparece associada a alergias alimentares e a rinites alérgicas. 

Sua sintomatologia típica inclui ressecamento da pele, vermelhidão, coceira e alterações da sensibilidade, o que pode variar bastante de pessoa para pessoa. 

Alergia a picada de inseto 

Mesmo os insetos mais inofensivos são portadores de substâncias próprias capazes de desencadear reações alérgicas. O problema é bastante comum em crianças e pode estar relacionado aos mais diversos tipos de insetos: mosquitos, abelhas, vespas e até formigas.

Independentemente se a pessoa é ou não alérgica, o seu corpo responderá a este contato de alguma forma. Para diferenciar um caso de alergia na pele é preciso saber reconhecer os sintomas, que neste caso são dor, vermelhidão, inchaço e coceiras que duram por um longo período de tempo.

Em casos graves há risco de reação anafilática. Esses pacientes devem ser atendidos com urgência para evitar complicações e fatalidade. 

Alergia ao látex

A alergia ao látex é um dos subtipos mais comuns da alergia de contato. Geralmente a reação é desencadeada por uma proteína específica presente neste tipo de material. 

É preciso ter cautela, já que o látex está presente em materiais de uso médico e odontológico, em preservativos, balões, pneus, etc. 

Alergia ao níquel

Este é um problema bem conhecido entre as mulheres. A substância faz parte da composição de bijuterias e acessórios e possui um alto potencial alérgico. 

Dentre os sintomas comuns, coceira, vermelhidão e inchaço. Em casos mais avançados pode haver queimação e formação de pus. 

Em geral, a sintomatologia começa a aparecer cerca de 12 horas após o contato. 

Sintomas

Cada tipo de alergia na pele possui suas próprias manifestações clínicas. Além disso, cada organismo tende a reagir de uma maneira única, o que leva a uma grande variação do quadro sintomatológico do distúrbio. 

Sintetizamos os sinais alérgicos típicos para que você saiba como reconhecer uma crise. Diante de qualquer sintoma de que uma reação alérgica foi desencadeada, é recomendado buscar ajuda médica. 

Veja abaixo quais são os sinais típicos da alergia na pele: 

  • Lesões na pele
  • Pele avermelhada
  • Alterações da sensibilidade 
  • Coceira Intensa 
  • Manchas vermelhas 
  • Bolinhas brancas
  • Ardência
  • Ressecamento da pele
  • Pele áspera

Em casos mais graves: 

  • Dificuldade para respirar
  • Coceira na garganta
  • Desmaio
  • Confusão mental
  • Batimentos cardíacos acelerados
  • Náuseas 

Diante desses últimos, procure ajuda médica imediatamente.

Causas 

Como vimos, existem diversos tipos de alergina na pele, além de muitas possíveis causas para o distúrbio. Conheça as principais.

  • 01.Predisposição genética

  • 02.Atrito constante

  • 03.Aumento da temperatura corporal

  • 04.Picadas de insetos

  • 05.Produtos de limpeza como detergente

  • 06.Cosméticos

  • 07.Látex

  • 08.Níquel

  • 09.Secura da pele

  • 10.Estresse

  • 11.Contato com certas plantas

  • 12.Medicamentos

  • 13.Poluição

Porque acontecem

Antes de falarmos sobre porque as alergias na pele acontecem, precisamos aprender a diferenciá-las de outros tipos de reações, como a sensibilidade, por exemplo. 

Enquanto um quadro alérgico é fruto de uma alteração no funcionamento do corpo, a sensibilidade se traduz por um conjunto de sintomas específicos. O indivíduo alérgico produz anticorpos contra o alérgeno, as células de defesa do organismo entram em ação, atacando agressivamente tal agente ou substância, o que não acontece em casos de sensibilidade. 

Apesar de sabermos claramente que a alergia é caracterizada por uma reação do sistema imunológico, a origem dessas reações e a explicação por trás delas ainda é um mistério para a comunidade científica. 

Sabe-se que pais e filhos possuem tendências a alergias específicas. No entanto, como podem algumas pessoas desenvolverem o distúrbio já na vida adulta? 

Através de pesquisas, especialistas descobriram que ao entrar em contato com um alérgeno o corpo passa por um processo de sensibilização. Sendo assim, começa a desenvolver progressivamente anticorpos na tentativa de se proteger. 

As células responsáveis por essas reações são as imunoglobulina E (IgE). Elas são as responsáveis por proteger o corpo contra possíveis agressões. 

Desta forma, retornamos ao mistério. Afinal, como uma substância inofensiva passa a ser interpretada como um inimigo pelo corpo? 

Geralmente, indivíduos que possuem predisposição a alergias de uma maneira geral produzem uma maior quantidade de anticorpos da classe IgE. 

Estas células se fixam na parede de mastócitos, outro tipo de célula do sistema imune. Quando entram em contato com alguns antígenos específicos, os possíveis causadores da alergia, fazem com que esses mastócitos liberem seus componentes, em especial a histamina, responsável pela reação alérgica.

Segundo um estudo da American College of Allergy and Immnuology, 70% das alergias surgem durante as duas primeiras décadas de vida. Tal fato aponta ainda para a importância do contato do corpo com bactérias e microorganismos na natureza. 

Crianças que brincam mais ao ar livre, por exemplo, possuem menor probabilidade de desenvolver alergia na pele em sua vida adulta, pois provavelmente possuem um sistema imune mais saudável.

Apesar dos avanços, não há uma explicação clara para esse aumento no número de células IgE. 

Choque Anafilático

O choque anafilático é a forma mais grave de uma reação alérgica. Diferente do que muitos pensam, o quadro independe da dimensão do contato com o alérgeno. Muitas vezes uma simples picada de mosquito pode ser suficiente.

A questão aqui é a quantidade de histamina liberada pelo organismo. 

Como vimos anteriormente, a reação se inicia com as imunoglobulinas E, que estimulam a liberação de substâncias inflamatórias pelos mastócitos.

Este processo desencadeia uma série de mudanças no corpo, dentre elas uma vasodilatação generalizada, o que gera como consequência uma queda abrupta da pressão arterial, havendo risco de edema de laringe com fechamento das vias respiratórias. 

O risco de morte se torna alto e o atendimento médico deve ser feito às pressas.

Diagnóstico

O dermatologista é a pessoa ideal para fazer o diagnóstico de alergia na pele. É preciso identificar além do tipo, as possíveis causas do problema. 

Geralmente a consulta se inicia com a anamnese. Através de uma breve entrevista o médico avaliará o histórico familiar do paciente, seus hábitos e vícios, e sua queixa. 

Os sintomas são cruciais ao diagnóstico. Durante o exame físico o especialista fará um estudo completo da pele do paciente.

Em alguns casos a confirmação diagnóstica se dá por meio de exames complementares.

Os testes de alergia mais comuns envolvem picadas no braço ou aplicação de substâncias conhecidas por causar alergias. Os resultados da aplicação são avaliados pelo médico. Em caso de picada, após cerca de 20 minutos, quando feita aplicação, os resultados são mensurados por meio de um exame de sangue cerca de 48 horas após o procedimento. 

Além de contribuírem para diferenciação entre uma alergia na pele e outros tipos de problemas, como doenças bacterianas e infecções fúngicas, tais exames ajudam na identificação do alérgeno. 

Outros tipos de análises podem ser úteis: 

  • Testes de leitura imediata e de contato com a pele
  • Exames laboratoriais de IgE total e IgE específica
  • Testes de provocação

Tratamento para alergia na pele

Após realizar o diagnóstico do caso e da causa da alergia na pele, o dermatologista fará a recomendação do tratamento. Além da origem do problema, a escolha terapêutica levará em conta a intensidades dos sintomas. 

Geralmente são indicados medicamentos anti-histamínicos como a desloratadina e a ebastina, ou mesmo fármacos compostos por corticoides, como a hidrocortisona. O tipo de fármaco varia bastante, em forma de creme, pomadas, xaropes ou comprimido.  

A grande maioria dos pacientes experimenta consideráveis melhoras com esse tipo de tratamento. Vale ressaltar que a automedicação é contraindicada, já que oferece riscos a saúde. O uso de qualquer medicamento deve ser feito estritamente mediante prescrição médica. 

Em geral, é recomendado aos pacientes com alergia na pele manter o tecido sempre bem hidratado, o que ajuda a aliviar a coceira e a vermelhidão. 

Além disso, em todos casos, deve-se manter distância do agente alergênico, já que ele é o responsável pelos sintomas.

Como prevenir

Depois de entender um pouco mais sobre o porque as alergias na pele acontecem, você provavelmente já deduziu que não é possível prevenir este tipo de problema. 

Embora a herança genética seja fator determinante neste caso, e a compreensão de como funcionam os gatilhos do corpo responsáveis por tornar um estímulo inofensivo um inimigo, seja dificultosa, algumas medidas podem fazer a diferença. 

Para começar, a manutenção de um contato direto e saudável com a natureza desde a infância, o que estimula o bom funcionamento do sistema imunológico e previne o surgimento de alergias mais tarde.

Além disso, outras medidas podem te ajudar a ficar longe de alérgenos potenciais. 

  • Evite locais fechados e empoeirados 
  • Troque de roupa de cama com frequência 
  • Mantenha a pele sempre hidratada 
  • Use produtos específicos para o seu tipo de pele
  • Se proteja contra picadas de insetos 
  • Não se esqueça do protetor solar

Sem dúvidas, evitar contato com os desencadeadores e proteger a saúde da sua pele é a melhor forma de se prevenir.

 Caso você já tenha sido diagnosticado, isso se torna ainda mais importante. 

Fique atento ao ambiente que te rodeia, seja no trabalho, em casa ou mesmo em áreas abertas. Além disso, procure conhecer o seu histórico familiar, e se houver algum antecedente alérgico, seja cauteloso em relação a suas causas. 

Diante de qualquer sintoma, procure ajuda especializada. O dermatologista é a pessoa certa para identificar e tratar todos os tipos de alergia na pele.

Para agendar uma consulta, basta entrar em contato. Temos especialistas a sua disposição.

Deixe o seu comentário