Melasma no rosto – tudo o que você precisa saber sobre

O melasma é caracterizado por manchas escuras na pele, principalmente no rosto.

Trata-se de uma disfunção na pigmentação ocasionada pela concentração anormal da melanina, pigmento que dá cor à pele. Isso faz com que surjam manchas escuras no rosto, entre outras partes do corpo

Apesar de acometer pessoas de ambos os sexos, é mais recorrente em mulheres. De acordo com a American Academy of Dermatology, 90% dos casos de melasma surgem em mulheres.

Continue lendo o post, descubra como identificar as manchas, principais características, tratamento, entre outros pontos sobre o tema. Boa leitura!

Como identificar manchas de melasma?

São pequenas manchas que aparecem principalmente no rosto, como nas maçãs, buço (próximo aos lábios), região maxilar, nariz e orelhas. Geralmente são mais escuras que a pele, com tons que vão do marrom, do mais claro ao mais escuro, até o preto. 

As manchas não são sensíveis ao toque, não coçam, ardem ou causam desconforto ao paciente, além do estético. Sua principal característica é a simetria entre os lados do corpo, assim, se a face esquerda for acometida, a direita terá uma mancha igual. 

O melasma no rosto é a manifestação mais simples, no entanto, a condição pode surgir em outras partes do corpo que ficam comumente expostas à luz solar sem proteção, ou até mesmo em outras regiões em casos mais raros, como nas costas.  Pessoas de etnia africana, hispânica, indianas e hispânicas são as mais afetadas.

5

Quais os tipos de melasma?

Existem basicamente três tipos de melasma, são eles:

Melasma epidérmico

Acomete somente as células da camada mais externa da pele, que está em maior contato com o ambiente. Sendo assim, o tratamento é mais simples.

Melasma dérmico

Atinge as camadas intermediárias da derme, dessa forma o tratamento pode ser mais difícil.

Melasma misto 

No melasma misto, tanto a camada superficial quanto a profunda são atingidas, o que pode demandar mais de uma terapia.

Qual a relação entre melanina e melasma?

O melasma ocorre quando há superprodução de melanina depositada em uma região da pele. A luz do sol é capaz de estimular os melanócitos, células da pele responsáveis pela pigmentação. Po risso, acredita-se que essas células produzem o pigmento em excesso em algumas partes do corpo sem a devida proteção aos raios ultravioletas. 

Ainda não é possível precisar o que causa essa superprodução, no entanto, são fatores associados à exposição frequente ao sol, bem como ao aparecimento de determinadas doenças.

Qual a relação entre melasma e gravidez?

O melasma na gravidez é bem comum, de modo a 70% das mulheres identificarem a condição durante essa fase. Apesar disso, a gravdez não é responsável pelo aparecimento das manchas, visto que não há uma causa decisiva para o quadro. 

Acontece que no período gestacional há um aumento da produção de progesterona e outros hormônios que estimulam a hiperpigmentação da pele. 

Quando associada ao quadro de predisposição genética ou a exposição excessiva à luz solar sem proteção, a probabilidade das manchas surgirem aumenta. 

Quais as causas do melasma?

Não há uma causa definida, contudo, acredita-se que a principal causa seja a exposição solar sem a devida proteção. É mais frequente em mulheres, sobretudo no período gestacional e entre aquelas que fazem uso de anticoncepcional. 

Isso leva a crer que as mudanças hormonais estejam associadas à hiperprodução da melanina. Dessa forma, pode surgir quando há mudanças nos níveis estrogênio nas mulheres e diminuição dos níveis de testosterona no homem, algo comum com o avanço da idade. 

Outro ponto a ser levado em consideração é a predisposição genética, um dos fatores que podem justificar o aparecimento das manchas. 

Quais os fatores de risco para o melasma?

Entre os fatores de risco para o surgimento de melasma estão:

ser do sexo feminino;
exposição solar sem proteção;
exposição constante ao calor;
uso de anticoncepcionais;
gravidez;
menopausa;
disfunções hormonais;
histórico familiar de manchas na pele.
3 1

Porque o melasma costuma piorar no inverno?

Durante o inverno, assim como em dias nublados,  as pessoas tendem a “relaxar” nos cuidados de proteção contra raios ultravioletas por acreditarem que há uma menor incidência dos mesmos. O que é um erro, pois apesar de menos intensos, durante o período de frio, os raios solares continuam agredindo nossa pele.

Portanto, ao sair de casa, não deixe de utilizar o protetor solar e se proteger.

Como é feito o diagnóstico de melasma?

O diagnóstico é inicialmente clínico, com observação da estrutura das manchas e análise do histórico do paciente. O dermatologista irá fazer algumas perguntas como a exposição ao sol, uso de anticoncepcionais, incidência de melasma na família, entre outras questões que ajudarão a identificar a natureza das manchas. 

Se necessário será orientado o uso da lâmpada de Wood para o diagnóstico diferencial de outras dermatites, visto que a luz emitida pela lâmpada é capaz de ajudar na identificação das lesões.

Tratamento para melasma 

O tratamento depende de cada caso. Vamos aos mais utilizados:

Fotoproteção

O tratamento mais importante para melasma é a fotoproteção, visto que nenhum outro tratamento será efetivo sem a proteção contra os raios ultravioletas. O protetor solar é o mais importante nesse quesito e deve ser sempre usado (todos os dias, inclusive em dias nublados). 

O fator de proteção mínimo é de 30 FPS. Além disso, é importante evitar a exposição prolongada entre às 10 da manhã e 4 horas da tarde, utilizando chapéu e roupas de fibras naturais.

Pomada e cremes 

O tratamento tópico é o mais comum, são usadas pomadas, cremes ou géis com agentes que atuam sobre a melanina e as disfunções hormonais. Veja os principais:

Hidroquinona

A hidroquinona é o princípio ativo clareador, comumente administrado em condições que causam a hiperpigmentação da pele. Assim, manchas cutâneas como melasma, sardas, lentigo senis, entre outras são tratadas por meio da aplicação de pomadas de 1 a 3 vezes ao dia. 

A hidroquinona age como um substrato da enzima tirosinase, de modo a inibir a ação da tirosina e como consequência a formação da melanina na área aplicada. O intuito do tratamento é reduzir a produção de melanina, dessa forma as manchas ficam cada vez mais claras. 

Tretinoína

A Tretinoína faz parte do grupo dos retinoicos, comumente administrados em tratamentos de peeling químico, em cremes clareadores e rejuvenescedores. No tratamento de melasma e outras manchas cutâneas, costuma estar associada a outros agentes como a hidroquinona e fluocinolona acetonida. 

Quando aplicada na região afetada, gera uma pequena descamação, capaz de promover a renovação celular. Em poucas semanas, as manchas ficam mais claras e a pele apresenta um aspecto mais saudável, firme e com melhor elasticidade. 

Corticoides tópicos

Os corticoides são utilizados para diferentes fins, como anti-inflamatórios e no tratamento de manchas de pele. São hormônios que já existem no organismo humano, portanto quando sintetizados geram respostas positivas no tratamento de melasma. 

As pomadas e cremes são indicados também para cicatrizes causadas por acnes, agindo sobre a inflamação causada pelas manchas, promovendo a renovação celular e como consequência, seu clareamento. 

É indicada pelo médico quando outros tratamentos não apresentam o resultado esperado, pois podem gerar desconforto e outros efeitos colaterais no tratamento prolongado. 

Ácidos 

Alguns ácidos são os principais agentes de cremes, dermocosméticos, pomadas e géis. 

Entre eles o ácido azeláico, que atua no controle da quantidade da melanina e escurecimento de pele e o ácido kójico, produzido do cogumelo japonês koji, que estimula a despigmentação e retarda o envelhecimento causado pelos raios solares. 

Além deles, também são utilizados o ácido glicólico e salicílico, ambos com efeito sobre a melanina. 

Peeling

O peeling pode ser químico ou físico. No químico utiliza-se os ácidos acima descritos em concentração maior e aplicação controlada pelo dermatologista. O ácido é aplicado na região e atua por alguns minutos até ser retirado. 

Sua ação visa a retirada de camadas danificadas da pele, promovendo o crescimento de uma camada lisa. É muito utilizado para eliminação de manchas e no tratamento de rejuvenescimento facial, pois reduz linhas de expressão e demais marcas relacionadas a ação do tempo ou do sol sem proteção.

Microagulhamento 

O microagulhamento é um tratamento para clarear manchas, remover cicatrizes, reduzir linhas de expressão, rugas, entre outros benefícios. A técnica utiliza micro agulhas ou cânulas que fazem furos minúsculos na pele, muitas vezes quase imperceptíveis e indolores. 

Esses micro furos favorecem a formação de novas fibras de colágeno, que renovam a pele manchada, proporcionando um aspecto mais jovial e firme.

Luz pulsada

A luz pulsada é amplamente utilizada para o tratamento de manchas de pele, a exemplo do melasma, além de telangiectasias, vasinhos, rosácea, acne, olheiras, retirada de pelos encravados (foliculite) e depilação. 

A técnica utiliza um aparelho que emite luz em grande variedade de comprimentos de onda em cada pulso. A luz incide sobre a melanina, quebrando moléculas específicas pelo calor gerado e o resultado é o clareamento e a renovação celular na área tratada.

Laser 

Semelhante à luz pulsada, o laser transforma uma onda de luz em calor, que age sobre os pigmentos de melanina, de modo a quebrar suas moléculas.

A técnica também promove a renovação celular na área tratada, dessa forma os benefícios são maiores, como o estímulo à produção de colágeno e como consequência, uma pele renovada. O laser pode ser usado principalmente para tratamento de melasma no rosto.

4

Como prevenir o melasma?

O surgimento das manchas de melasma pode ser retardado, atenuado e prevenido. A principal forma de prevenção ainda é proteger-se do sol, com filtro solar, óculos escuros e guarda-sol. Se necessário, reaplique o protetor solar. 

Também é importante manter cuidados diários para retardar os efeitos do melasma, como:

Limpar a pele: higienize a pele com dermocosméticos e demais produtos indicados para o seu tipo de pele, todas as noites antes de dormir.
Antioxidantes: vitaminas C e E são excelentes para reduzir os danos causados pelos raios solares.
Hidratação: é fundamental para devolver a água à pele, ajudando na restauração de sua barreira lipídica.

Quando procurar um dermatologista?

Manchas de melasma, assim como a maior parte das manchas ou pintinhas que temos em nosso corpo, são consideradas benigna. Contudo, elas podem indicar que algo está errado com o organismo. Por isso, a qualquer sinal de mudança de coloração ou aumento repentino dessas lesões é necessário procurar o dermatologista. 

Somente ele pode identificar os riscos, avaliar os sinais da pele, indicar o tratamento adequado e fazer o acompanhamento do paciente.

Dúvidas frequentes sobre melasma

Agora vamos a algumas dúvidas frequentes sobre o melasma, acompanhe:

O melasma é perigoso?

A condição em si não causa dor e não origina outras doenças. Além disso, não coloca em risco a saúde ou vida do paciente, contudo, é um indicativo de que a pessoa precisa se proteger do sol.

Melasma tem cura?

Não, mas é possível atenuar as manchas com tratamento específico. As manchas podem retornar futuramente, visto que há diversos fatores desencadeantes, dessa forma nem sempre é possível eliminar o melasma definitivamente. No caso de reincidências, o tratamento pode ser diferente.

Casca de banana clareia melasma?

Apesar da casca de banana apresentar ácido salicílico e ácido cítrico, substâncias adstringentes e branqueadoras naturais, não são recomendadas receitas caseiras. Algumas delas podem piorar a condição, principalmente se não for melasma e sim outra coisa.  O dermatologista sempre deve ser consultado para definir o diagnóstico e indicar o melhor tratamento.

O que pode piorar o melasma?

A exposição sem a devida proteção aos raios solares piora o quadro de melasma. Além disso, não procurar um tratamento pode fazer com que as manchas evoluam. Caso as lesões sejam causadas por outro problema, o diagnóstico tardio pode agravar a situação.

Melasma coça?

Geralmente o melasma não coça, caso as manchas apresentem alguma irritação ou dor, o dermatologista deve ser consultado com urgência.

Se não melasma, o que pode ser? Clique aqui e saiba mais. 

Melasma pode evoluir para câncer de pele?

Na maioria dos casos não, no entanto, as manchas de melasma podem esconder o desenvolvimento de manchas mais sérias, como o melanoma, que evolui para câncer de pele se não for devidamente tratado.

Há tratamento caseiro para o melasma?

As pessoas com melasma podem agravar a condição com um tratamento inadequado, podendo acarretar na piora do quadro de manchas.

O melasma é contagioso?

Não, por se tratar de uma resposta do corpo, não se trata de uma condição contagiosa.

Pode usar maquiagem para esconder o melasma?

Sim, a maquiagem é uma aliada para esconder manchas. Há diversas opções para cobrir e manter o efeito natural de pele uniformizada.

Quais alimentos pioram o melasma?

Em geral, o abuso de alimentos processados, ricos em gorduras trans, frituras, café e laticínios, que são pró-inflamatórios, além de bebidas alcoólicas, carboidratos e glúten.

Babosa pode clarear melasma?

Receitas caseiras como babosa, óleo de rosa-mosqueta, entre outras plantas podem até funcionar, mas só devem ser usadas se receitadas pelo dermatologista.

Ácido hialurônico tira manchas de melasma?

Sim, o ácido hialurônico presente nos tratamentos de peeling e em dermocosméticos são capazes de clarear as manchas. O ácido preenche os espaços que surgem entre a derme e a epiderme, dando uniformidade à pele.

Antioxidantes orais podem clarear o melasma?

Antioxidantes orais têm como base vitaminas que combatem os radicais livres pelo organismo. Até podem promover o clareamento do melasma, desde que sejam indicados pelo dermatologista.

A argila branca tira manchas de melasma?

O paciente pode utilizar a argila branca para dar apoio ao tratamento do melasma, contudo, ela não terá os mesmos efeitos que as pomadas ou os tratamentos mecânicos apresentados.

A niacinamida tira a mancha de melasma?

Sim, a niacinamida ajuda a reduzir a hiperpigmentação da pele, inibindo a ação dos melanossomos dos melanócitos na epiderme. O produto pode ser usado como auxiliar no tratamento ou prevenção ao retorno das manchas, desde que indicado pelo dermatologista.

Saiba mais!

Tem sabonete para melasma?

Sim, existem sabonetes clareadores com ativos como a hidroquinona e a tretinoína, que podem ser eficazes no tratamento do melasma. Apesar de sua eficácia, seu uso só deve ser feito após recomendação profissional.

O que é bom para tirar melasma do rosto?

Para tratar melasma no rosto, podem ser utilizados cremes clareadores, como a hidroquinona ou tretinoína.

O uso domiciliar de ácido e despigmentadores, associado à fotoproteção.

Laser pode ser utilizado para tratamento de melasma no rosto.

 

Deixe o seu comentário