Peeling para melasma: O que você precisa saber sobre o tratamento

Peeling para melasma realmente funciona? 

Muito procurado para fins estéticos, o tratamento é capaz de corrigir marcas, cicatrizes e suavizar lesões de envelhecimento, melhorando a aparência da pele. Além disso, é uma das terapias mais indicadas para tratar manchas dos mais diversos tipos.

O melasma é uma condição crônica e incurável, porém, não causa grandes danos à saúde e nem tende a evoluir para algo mais grave. Por outro lado, por afetar principalmente a região da face, pode provocar um considerável incômodo estético. 

Leia mais sobre o melasma, suas principais causas e sintomas. 

A boa notícia é que a condição tem tratamento e que o peeling para melasma é uma ótima opção. 

Por fazer a remoção da camada superficial, média ou profunda da pele, o procedimento elimina células mortas e estimula a renovação celular, fazendo com que no local da pele manchada, surja uma nova livre de manchas e rugas. 

Ficou interessado? Então continue a leitura para conhecer melhor o procedimento e entender como ele funciona nesses casos.

Peeling para melasma

O peeling é um tratamento de segunda linha para melasma, ou seja, uma alternativa para situações onde a primeira intervenção não produziu os efeitos esperados. 

O peeling químico destaca-se no tratamento de melasma. A técnica consiste na aplicação de substâncias ácidas ou esfoliantes capazes de destruir parte da derme e da epiderme. 

Com isso, é estimulada a renovação celular, que contribui para o clareamento das manchas ocasionadas pelo melasma. 

Para que se alcance o resultado esperado é essencial um preparo de pelo menos 4 semanas. Durante esse período deve-se fazer o uso de hidroquinona 4%, o que ajuda na penetração dos ativos e diminui o risco de complicações. 

A utilização da substância deve permanecer sendo feita por pelo menos 3 meses após o processo de peeling, com exceção do dia que antecede e que sucede à sessão.

Quais substâncias são utilizadas?

Como vimos, o peeling químico é a escolha para o tratamento do melasma. Sendo assim, são utilizadas substâncias ácidas para esfoliar a pele. Veja abaixo quais são as mais recomendadas.

Ácido glicólico

O ácido glicólico atua inibindo a formação de melanina, substância que dá cor a pele, principalmente através da esfoliação do estrato córneo, que libera a melanina na camada basal da pele. 

Originado da cana-de-açúcar, o composto é utilizado em concentrações que variam entre 5% e 10%.

Ácido retinoico

Popularmente conhecido como vitamina A e também chamado de tretinoína, estimula o aumento da renovação celular ao produzir uma intensa esfoliação da epiderme, o que reduz a produção de melanina.

Solução de Jessner

A solução é composta por três agentes,  resorcina (14g), ácido salicílico (14g) e ácido lático (14g), adicionados ao etanol 95% (até 100 ml), e contribui para uma melhor efetividade de outros compostos, reduzindo também a toxidade deles.

Ácido kójico

O ácido kójico atua inibindo a tirosinase, uma enzima chave para a biossíntese de melanina, e é utilizado como clareador desde 1989 no Japão. A substância não é fotossensível e também não causa alergias.

Ácido tricloroacético

Podendo ser utilizado em diferentes concentrações, variando dessa forma o quão profundo será o peeling para melasma, o ácido tricloroacético é recomendado para tratamento de alterações da cor da pele e de rugas finas.

Hidroquinona

Um excelente agente clareador, a hidroquinona atua inibindo a tirosinase, interferindo assim na formação da melanina. Esse composto pode ser utilizado tanto no preparo como no processo de peeling.

Tipos de peeling químico

O peeling químico é o mais recomendado para o tratamento de melasma e pode ser feito no rosto, nas mãos e no pescoço. A técnica se subdivide em 3 tipos, conforme local de atuação.

Peeling químico superficial

Realiza a remoção das camadas mais superficiais da pele, agindo como um ótimo clareador de manchas. Também é útil para retirar acne e rugas.

Peeling químico médio

São utilizados ácidos um pouco mais fortes, capazes de remover as camadas média e externa da pele, muito recomendado para tratar acne e rugas mais marcadas.

Peeling químico profundo

Se trata de um tratamento mais intenso, capaz de atingir até mesmo as camadas mais internas da pele. Esse tipo de peeling químico é indicado para pele danificada pelo sol e outras cicatrizes, como as de acne ou de acidentes.

Cuidados essenciais pré-peeling

O preparo para o tratamento é essencial para o melhor aproveitamento dos efeitos do peeling para melasma. 

Além de utilizar a Hidroquinona conforme orientado anteriormente e ainda demais produtos caso haja indicação do seu dermatologista, alguns cuidados antecedem a aplicação do ácido. 

É recomendado o uso de hidratantes indicados para o seu tipo de pele na semana que antecede ao tratamento, pois o tratamento tende a sensibilizar o tecido, que acaba precisando de uma atenção extra.

A preparação no dia se dá com a higienização da pele, que deve estar limpa e desengordurada para que haja uma boa absorção das substâncias utilizadas.

Cuidados essenciais pós-peeling

Normalmente a pele fica um pouco irritada após o peeling, por isso, sintomas como vermelhidão e ardência são esperados. Os cuidados após o procedimento tem como objetivo minimizar esses efeitos e assegurar os resultados esperados. 

O primeiro cuidado e um dos mais importantes nos casos de peeling para melasma é o uso de protetor solar, mesmo em dias nublados ou em ambientes fechados. 

Caso a pele esteja irritada, você pode colocar compressas frias na área de realização do tratamento. Além disso, utilize sabonetes suaves para higienização, que ajudam a recuperar a barreira protetora da pele. 

Durante os dias que seguem ao procedimento, é contraindicado o uso de cremes à base de Ácido Retinoico, Ácido Glicólico ou Ácido Salicílico, pois podem irritar ainda mais a pele. 

Diante de qualquer sinal de problema, em especial se relacionado ao uso de algum produto, suspenda-o imediatamente e procure o seu dermatologista para que seja realinhada a sua rotina de cuidados. 

Por último, não coce, force, esfregue ou puxe as casquinhas de descamação da pele. Isso prejudicaria a sua recuperação e poderia causar manchas e cicatrizes indesejadas. 

O peeling para melasma é uma ótima alternativa de tratamento, porém, não deixe de consultar o seu dermatologista para que ele, juntamente com você, avalie se essa é realmente a melhor opção para o seu caso. 

Leia mais sobre o melasma, suas principais causas e sintomas. 

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica Especialista em Dermatologia pela SBD. Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês. Pós-Graduação em Pesquisa Clínica - Principles and Practice of Clinical Research - Harvard Medical School (EUA).

Deixe o seu comentário

Abrir chat
Agende sua avaliação