Artigo

Conheça os principais tipos de peeling, indicações e cuidados

Foram desenvolvidas diferentes tipos de peeling, variando as técnicas e substâncias utilizadas, cada um destinado à resolução de um problema, como manchas, linha de expressão e marcas de acne, por exemplo. A escolha vai depender de fatores como tipo de pele, resultado, sensibilidade do paciente, entre outros. 

Para ajudar na escolha, criamos este pequeno post que elucida mais o tema. Acompanhe!

O peeling é um tratamento de clareamento de pele, que utiliza técnicas para promover a renovação celular, por meio de estímulos químicos ou físicos. A palavra peeling vem do verbo inglês “to peel”, que significa descamar ou descascar. 

Nos procedimentos químicos se utiliza, entre outras possibilidades, o ácido tricloroacético, que não traz quaisquer problemas quando aplicado em doses pequenas como acontece nas clínicas e consultórios. O intuito é renovar as células da pele por meio da descamação segura. 

Trata-se de um procedimento da medicina estética, que promove a renovação celular de modo progressivo, com o intuito de regenerar os tecidos naturalmente a partir do estímulo da produção natural de colágeno e elastina. 

Não é um tratamento invasivo, são raríssimos os casos de efeitos colaterais, contudo, é importante contar com assistência profissional de um dermatologista. É indicado para o nas seguintes situações:

Quais os principais tipos de peeling?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), há basicamente duas classes de peeling: físico e químico. Essa classificação se dá pelos agentes que induzem a descamação.

Peelings químicos 

Utilizam agentes químicos aplicados na pele, a exemplo dos ácidos Retinóico, Glicólico e Salicílico. Essas substâncias removem as camadas mais superficiais da epiderme para que depois elas possam se regenerar com um aspecto melhor. 

Esses são os tipos de peeling químicos de acordo com a substância utilizada:

Ácido retinóico

É utilizado em situações mais superficiais como estrias e manchas mais claras. O peeling de ácido retinóico age no contato direto com a pele por sessões que podem durar até mais de uma hora. A recuperação varia de acordo com o tom de pele.

Ácido tricloroacético

O ácido tricloroacético  já é indicado para um peeling médio em uma concentração entre 15% a 50%. Geralmente é aplicado com um algodão envolto em um palito e deve agir na pele até atingir ponto de “Frost”, quando o ácido atinge a cor branca uniforme. 

Fenol

O Fenol é o ácido para o tratamento mais profundo com melhores resultados em manchas escuras e rugas, visto que atinge as camadas profundas da epiderme. Também é o que exige mais cuidado por conta da concentração de até 88%. O ponto de Frost II é atingido mais rápido, portanto, o tempo de aplicação é menor em relação aos anteriores.

Peelings físicos 

No peeling físico a descamação é mecânica, utilizando equipamentos específicos e cremes abrasivos que realizam uma microabrasão na pele. A vantagem é que dependendo da pele e do problema enfrentado, os benefícios podem ser observados logo depois da primeira aplicação. 

Esses são os tipos de peeling físico:

Peeling de cristal

A descamação é feita com o auxílio de cristais de óxido de alumínio, que detém propriedades coagulantes. O tratamento é destinado à redução de cicatrizes, estrias e até flacidez, desde casos superficiais aos mais profundos.  

Pode ser realizado na face, pescoço, dorso, membros e mãos. A pele fica mais brilhante, sedosa e com a aparência mais saudável. 

Peeling de porcelana

O peeling de porcelana tem este nome por conta da expressão pele de porcelana, uma vez que após o tratamento a pele fica com aspecto mais liso e brilhante. O efeito é quase imediato e após a sessão o paciente já sente o rosto mais liso e com maior luminosidade. 

Ele combina técnicas físicas e químicas, com aplicação de vitamina C com ácido hialurônico, clareando a pele, proporcionando maior elasticidade e preenchendo linhas. O ácido é diluído para não agredir os tecidos e não descamar a pele. É indicado para peles secas, com tons opacos e com aspecto envelhecido. 

Peeling de diamante ou microdermoabrasão

Esse tipo de tratamento faz uma esfoliação profunda da pele, retira impurezas, células mortas, clareia manchas e trata rugas. Esse processo estimula a renovação tecidual, reduz a oleosidade e trata acne e suas cicatrizes, proporcionando um aspecto mais jovial à pele. 

Assim como outros tipos de peeling, a região pode ficar avermelhada durante os dias seguintes ao procedimento. 

Peeling com laser

Assim como o nome sugere, este peeling utiliza um aparelho que produz um laser de 1064nm (CO2 fracionado) que aquece a epiderme de dentro para fora, estimulando a troca de células sem a descamação ou irritação dos tecidos.

Quais profissionais podem fazer tais tratamentos?

Independente do tipo, método usado ou profundidade, o peeling deve ser orientado pelo dermatologista. Trata-se de um procedimento médico, que exige atenção profissional por conta das complicações que pode trazer dependendo dos produtos utilizados e potenciais efeitos colaterais. 

O médico fará uma avaliação para definir se há necessidade de conduzir o tratamento, bem como o mais indicado para cada caso, o que o paciente deve fazer antes e depois das sessões.

Quais os cuidados antes do peeling?

Não é indicado realizar o procedimento sem antes consultar um dermatologista, que indicará os cuidados necessários. De modo geral, é preciso ter maiores cuidados com a exposição solar para evitar danos à pele.

Dependendo do tipo, o dermatologista pode indicar o uso de ácidos mais suaves por um período de 10 a 30 dias antes do procedimento para preparar a pele, normalmente são aplicados cremes compostos de ácido glicólico e hidroquinona.

Quais cuidados após o peeling?

Os cuidados variam conforme o método, contudo, na maioria dos casos, resumem-se a evitar exposição prolongada ao sol, uso de cremes e pomadas cicatrizantes, evitar banho em piscina com cloro, entre outros, daí a importância de seguir as orientações de seu dermatologista

Quais as contraindicações?

Inicialmente, o peeling é contraindicado para pessoas que não possuem a fotoproteção adequada, como trabalhadores que ficam expostos ao sol durante o expediente e atletas. 

Também deve ser evitado por quem está passando ou passou por tratamentos com isotretinoína no último semestre devido à redução do metabolismo tecidual. Nesses casos, a aplicação dos ácidos aumenta a produção de colagenase, aumentando o risco de surgimento de cicatriz hipertrófica.

Outras medicações como anticoncepcionais, corticóides, tetraciclinas podem interferir no processo inflamatório. Nesses casos, é preciso informar o dermatologista para avaliar a possibilidade de fazer o peeling. Grávidas não podem fazer peelings profundos ou médios e os leves só devem ser feitos sob orientação médica e em casos extremamente necessários.

Agende uma avaliação através do nosso WhatsApp

Dra. Juliana Toma – Médica Dermatologista pela Universidade Federal de São Paulo – EPM

Clínica no Jardim Paulista – São Paulo – SP

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica Especialista em Dermatologia pela SBD. Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês. Pós-Graduação em Pesquisa Clínica - Principles and Practice of Clinical Research - Harvard Medical School (EUA).

Deixe o seu comentário

Abrir chat
Agende sua avaliação