Verruga inflamada: Causas, cuidados e tratamentos

A verruga geralmente é um nódulo que não dói, no entanto, em determinados casos ela pode apresentar alguns sintomas, causando um certo incômodo. A verruga inflamada ocorre quando algum agente externo causa a infecção da lesão, o que exige o alerta imediato. 

Quando ocorrer qualquer alteração na verruga é importante fazer uma avaliação presencial com o dermatologista ou clínico geral. Somente dessa forma é possível receber a orientação adequada, diagnóstico e tratamento. 

A título de curiosidade, vamos apresentar as causas das verrugas, porque inflamam, tratamento, entre outras informações para ajudar no momento da consulta. Acompanhe!

O que são verrugas

A pele é constituída de várias camadas, a exemplo da derme e da epiderme. A verruga é causada pela infecção do papilomavírus humano (HPV), e quando isso ocorre, a parte da epiderme cresce de forma anormal e acelerada, resultando na lesão. 

Essa lesão é a concentração de pele em um determinado ponto. A pessoa pode ter apenas uma verruga ou múltiplas, em várias partes do corpo ou em um só local. São benignas na maioria de suas manifestações. 

O causador da verruga, o papiloma vírus humano (HPV), penetra na pele por meio de pequenas escoriações, machucados ou cortes, no ato sexual ou parto. 

As verrugas podem ter formas irregulares e diferentes e podem também sumir naturalmente, sem que haja a necessidade de tratar com auxílio de um médico.

verrugas

Porque as verrugas inflamam

Como vimos, verrugas são irregulares e podem sumir de forma natural, sem a necessidade de tratamento, no entanto, quaisquer mudanças em sua estrutura, como inflamação, devem ser tratadas com urgência. 

Nos casos mais comuns, essa inflamação é resultado do trauma mecânico quando há algum impacto ou infecção causada por bactérias. Quando isso ocorre, além da vermelhidão, a verruga pode apresentar descamação e doer (com ou sem o toque). 

Além disso, o HPV é capaz de agir com vias de inflamação, atuando nas paredes dos vasos sanguíneos, de modo a aumentar a formação de placas que obstruem as artérias. Esse fenômeno pode causar o acúmulo das placas de gordura, aumentando o tamanho e as características das verrugas. 

O que parece verruga e não é

Cuidado com as verrugas que inflamam

As verrugas são benignas na maioria de suas manifestações, mas como visto, algumas dermatites são confundidas com verrugas. Nos casos mais graves, esses sinais, nódulos e demais lesões podem ser malignos, evoluindo para um câncer (carcinomas e melanoma). 

O carcinoma é o câncer mais comum em humanos e pode afetar praticamente todos os tipos de tecidos. Origina-se principalmente no tecido epitelial, que recobre a nossa pele e a maioria dos órgãos. 

Surge quando as células epiteliais sofrem algum tipo de transformação maligna, causada por diversos fatores, como exposição solar sem proteção ou outro agente que provoca a mutação de uma célula. Essa célula se multiplica de forma “errada”, dando origem ao câncer. 

Geralmente é um sinal, nódulo, cisto, pinta ou caroço cuja estrutura muda lentamente, podendo gerar dor ao toque ou sangramento.  

Já o melanoma pode surgir da pele normal ou de alguma lesão pigmentada. Tem origem nos melanócitos, sendo mais frequente em adultos brancos que não tiveram o cuidado de proteger a pele dos raios solares ao longo dos anos. 

Quando se manifesta na pele normal, uma pinta escura de bordas irregulares surge, geralmente acompanhada de coceira, dor e descamação. Quando já existe uma lesão, seu tamanho e coloração aumentam. 

imagem 2022 06 21T145318.744

Tratamento 

O primeiro passo é o diagnóstico diferencial, em que o dermatologista faz avaliação das lesões para diferenciar a verruga inflamada de outra lesão de pele. São feitas perguntas e análise da vida do paciente, e caso surja alguma dúvida, podem ser solicitados exames laboratoriais, como biópsia, papanicolau ou papanicolau para identificar os sorotipos de HPV envolvidos. 

Quando a verruga está inflamada é necessário tratar inicialmente a causa da inflamação. Se for trauma físico, será receitada apenas pomada cicatrizante e quando sarar, outra terapia será administrada. Agora se houver algum tipo de infecção, o médico pode receitar antibióticos ou outra medicação. 

Resolvida a inflamação, o passo seguinte é a remoção da verruga por meio de procedimentos estéticos realizados em consultório dermatológico e por um profissional especializado. Cada verruga exige uma terapia diferente, conforme seu tamanho, local de surgimento e condições do paciente. 

Em geral, o tratamento é feito em três frentes:

  • Destrutiva – cirúrgica: são utilizados meios que cauterizam a verruga que cai após alguns dias, como peeling com ácidos, eletrocauterização, crioterapia, laser ou ainda a remoção cirúrgica;
  • Imunoestimulação: as terapias podem ser sistêmicas (medicamentos orais), intralesionais (injeções) ou tópicas (cremes);
  • Antiproliferativa: as terapias incluem medicamentos tópicos ou intralesionais. 

É importante salientar que a vacina para vírus HPV não é terapêutica, ou seja, ela não trata as lesões clínicas ativas, mas sim na prevenção do surgimento de novas lesões. 

Porque tratar as verrugas inflamadas

Independente se estão inflamadas ou não, é fundamental tratar as verrugas. Primeiro porque elas podem espalhar pelo corpo, tornando mais difícil a sua cura. Segundo, as verrugas são causadas por um vírus contagioso e quando o paciente não as trata, podem contagiar outras pessoas próximas, como parentes e amigos. 

As verrugas regridem de forma espontânea, mas isso pode levar muito tempo, o que aumenta as chances delas expandirem para outras áreas ou o portador infectar outras pessoas. Por isso, mais do que o desconforto estético, é importante que essa alteração dermatológica seja tratada o quanto antes. 

Agende uma consulta através do nosso WhatsApp

Dra. Juliana Toma – Médica Dermatologista pela Universidade Federal de São Paulo – EPM

Clínica no Jardim Paulista – São Paulo – SP

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica Especialista em Dermatologia pela SBD. Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês. Pós-Graduação em Pesquisa Clínica - Principles and Practice of Clinical Research - Harvard Medical School (EUA).

Deixe o seu comentário