Nevo Ota – saiba o que é, sintomas e tratamento

Manchas cutâneas podem trazer um grande incômodo estético. Uma delas  é a chamada Nevo Ota ou Nevo de Ota, uma alteração na pele que afeta 0,2 a 0,8% de todos os pacientes dermatológicos no Japão, país em que mais pessoas são acometidas por essa dermatite. 

No Brasil, o percentual é menor. Ainda assim, quando manchas de tons azulados surgirem ao redor dos olhos, é importante consultar o dermatologista. 

Conheça também outros tipos de manchas na pele.

Continue lendo, entenda mais sobre o Nevo Ota, seus sintomas, diagnóstico, tratamento, entre outras informações para sanar suas dúvidas. Acompanhe!

O que é o Nevo Ota?

É uma dermatite que se manifesta como manchas azuladas no globo ocular e na pele próxima a ele, sobretudo na região inervada, entre o primeiro e segundo ramos do nervo trigêmeo (região das pálpebras, malar e retroauricular), em razão da hiper atividade dos melanócitos, células que produzem a melanina. 

Em alguns casos pode acometer a região do palato duro, mucosa nasal e oral, retina, íris até chegar próximo à orelha, se não houver tratamento. Acomete somente uma área do rosto, mas em 10% dos casos pode ser bilateral. 

A lesão pode se iniciar no primeiro ano de vida, adolescência ou vida adulta (raramente se manifesta na infância) e progride conforme a idade avança. Ao longo do tempo se torna uma mancha hipercrômica (produção exagerada de melanina) com a coloração azul ou negro azulada, mas que também pode ser parda ou mosqueada (aspecto semelhante ao mármore). 

É cinco vezes mais comum em mulheres em relação aos homens devido aos fatores hormonais, que podem estar ligados ao surgimento das manchas. Não é uma dermatite hereditária e a ocorrência em mais de uma pessoa da família é relativamente rara.

Qual a razão das manchas se manifestarem?

Ocorrem devido a algum trauma, exposição solar ou incidente que leva ao aumento do número dos melanócitos presentes na derme média e superior. Esses melanócitos apresentam um formato mais alongado e dendrítico que os normais, com melanina livre entre a derme e a epiderme. 

Esse formato não permite sua migração completa da crista neural para a epiderme durante a fase embrionária. Como consequência, os melanócitos se fixam nos ramos nervosos oculares e maxilar do nervo trigêmeo. O resultado são células mais profundas que o comum e aprisionadas entre as camadas de pele, o que explica a coloração mais escura. 

Além disso, há o aumento sensível dos melanócitos, causando a coloração parda em alguns pacientes. Mesmo com a produção em excesso de melanina, as fibras elásticas e colágenas permanecem iguais e distribuídas normalmente, assim não há mudança na textura da pele.

Há risco de problemas oculares?

Na maioria dos casos não, no entanto, alguns pacientes que não buscam tratamento tem um maior risco de desenvolver doenças metastáticas no olho afetado. Isso ocorre quando o nevo envolve a pele periocular dos olhos, em uma condição chamada de melanocitose óculo-dermal (MOD). 

Um estudo SINGH feito em 2013 avaliou 7.872 pacientes de Nevo Ota e revelou que o MOD esteve presente em 230 deles (3% do total). Nesses casos, o risco de metástase (câncer) foi de 1,6 vezes maior do que naqueles pacientes que não tiveram os olhos acometidos pela pigmentação.

Outro estudo mostrou que o Glaucoma acomete 10% dos pacientes com MOD.

Como é conduzido o diagnóstico?

O diagnóstico de Nevo de Ota é essencialmente clínico, com a análise das lesões e histórico do paciente. Ocorre que em determinadas situações o dermatologista pode apresentar dificuldades no diagnóstico diferencial, o que dificulta o tratamento. 

Nesses casos pode ser solicitado o exame de biópsia, que se mostra fundamental na identificação das lesões conjuntivais melanóticas. 

Nevo Ota ou Melasma?

As duas condições são comumente confundidas devido às suas características clínicas semelhantes, no entanto, há diferenças. 

Primeiro: enquanto o Nevo Ota é unilateral, ou seja, ocorre em apenas um lado da face, o Melasma se manifesta nas duas partes do rosto, assim, se uma mancha de Melasma surgir no lado esquerdo, outra igual vai surgir no lado direito. 

A cor das máculas também diferem na maioria dos casos. Enquanto as manchas de Nevo Ota são azuladas ou negro azuladas, as de Melasma variam do castanho ao cinza. Além disso, o aspecto também muda, visto que as manchas de Nevo Ota são mais espessas e granuladas, e as de Melasma preenchem mais espaço.

Como é o tratamento do Nevo Ota?

Os resultados mais expressivos no tratamento do Nevo Ota foram realizados com a laserterapia, com o laser do tipo Q Switch, que melhor trata lesões pigmentadas benignas. 

Um estudo feito a partir da análise de prontuários levantou dados de pacientes tratados com o laser Q Switched com a ponteira 532nm. 

O intervalo entre as sessões foi de 4 meses, com duração de pulso de luz de 10 nanosegundos, frequência de 3Hz e spot size de 3 mm. 

As melhores respostas ocorreram entre os pacientes com fototipos até a classe IV e após 7 sessões.

Conforme a avaliação dos pesquisadores, 75% dos pacientes tiveram uma melhora excelente, e os outros 25% tiveram uma resposta boa ou moderada.

Quando questionados sobre sua satisfação com o tratamento, 60% relataram estar muito satisfeitos, enquanto 40% demonstraram satisfeitos com os resultados. 

Poucos efeitos colaterais foram constatados após as sessões. O principal deles foi o desconforto, edema e eritema que durou até 48 horas após o tratamento. No entanto, em poucos dias, esses efeitos sumiram. 

O laser não é uma solução definitiva, mas ajuda no clareamento das lesões, de modo a melhorar a autoestima do paciente.

É possível prevenir o Nevo Ota?

Pelo fato de não saber os motivos que podem servir de catalisador para o surgimento das lesões e de não se tratar de uma condição genética, é difícil dizer ao certo as formas de prevenção.

Assim como outras dermatites causadas pela hiper atividade dos melanócitos, a única forma de uma possível prevenção é a fotoproteção. Sendo assim, é importante evitar a exposição solar entre as 10 horas da manhã e 4 horas da tarde, usar protetor solar e roupas de fibra natural.

Quais os impactos do Nevo Ota na autoestima do paciente?

O Nevo Ota, assim como outras manifestações cutâneas pode interferir sensivelmente na autoestima do paciente, sobretudo nas mulheres. Muitas delas tentam amenizar as manchas com maquiagem, o que nem sempre é algo possível e em excesso pode trazer outras complicações caso não seja retirada da pele. 

Estudos mostram que usar maquiagem diariamente não traz problemas ou agrava o Nevo Ota, contudo, se a pessoa não fizer os cuidados para retirar todos os resíduos, pode haver um acúmulo, o que ocasiona espinhas, cravo e acne. 

Ocorre que o tratamento devolve a autoestima, retira o peso relacionado às manchas e permite que a pessoa volte a ter uma vida normal, sem o incômodo estético.

Conheça também outros tipos de manchas na pele.

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica Especialista em Dermatologia pela SBD. Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês. Pós-Graduação em Pesquisa Clínica - Principles and Practice of Clinical Research - Harvard Medical School (EUA).

Deixe o seu comentário

Abrir chat
Agende sua avaliação