Cisto sebáceo: O que é, como identificar e tratar

Já identificou caroços arredondados e macios sob a pele de alguém? Pois, podem se tratar de cistos sebáceos. Esses nódulos costumam ser indolores e se mover ao toque, mas também podem inflamar, “vazar”, e trazer bastante desconforto.

Nesse artigo, você descobrirá tudo sobre cistos sebáceos, como identificá-los, quando deve se preocupar, se eles têm cura, quais são as opções de tratamento e muito mais.

Um cisto sebáceo, também conhecido como cisto epidérmico, é um nódulo encontrado sob a superfície da pele, formado pelo acúmulo de queratina e células mortas envolto por uma cápsula que impede a absolvição dessas substâncias pelo organismo.

Os cistos sebáceos são benignos (não cancerígenos), e muito comuns, podendo ser encontrados em indivíduos de ambos os sexos e em qualquer parte do corpo. Contudo, são mais comuns na face, pescoço e tronco, onde trazem incômodos específicos.

Na maioria das vezes, se apresenta como uma espécie de caroço, macio e de tamanho variável, que contém uma secreção, que por vezes é expelida.

A coloração do cisto é na maioria das vezes da cor da pele, mas podem ser esbranquiçados ou até amarelados. Em alguns casos, pode haver um orifício central que se pressionado pode eliminar um material esbranquiçado com odor desagradável.

 

Cistos sebáceos no rosto

Cistos sebáceos no rosto são comuns e causam um desconforto estético grande. Para realizar a retirada basta procurar um dermatologista. O procedimento é simples e será descrito mais a frente.

Ao identificar o cisto é importante que você não o esprema ou fure na tentativa de removê-lo. Fazendo isso, você pode acabar piorando o caso, provocando inflamações e infecções.

Cisto sebáceo no tronco

Cisto sebáceos nas costas costumam ser maiores e podem passar completamente despercebidos, exceto quando inflamam. Nesse caso, ações simples como se sentar e se deitar podem trazer dor.

Cisto sebáceo na cabeça

Nódulos nessa região podem trazer incômodos na hora de lavar ou pentear os cabelos. Como já mencionamos, cistos sebáceos são benignos, sendo assim o maior desconforto é o de ter que realizar a remoção cirúrgica em uma região tão delicada.

Posso espremer um cisto sebáceo?

Absolutamente não! Apesar da tentação de se livrar facilmente do problema, tentar espremer ou estourar um cisto sebáceo fará mais mal do que bem.

Esses nódulos estão localizados em uma região mais profunda da pele do que as espinhas, e provavelmente não romperão o tecido para passar.

Tentativas de espremer cistos sebáceos podem acabar resultando em inflamações desnecessárias, e infecções. 

Mesmo quando o esforço gera algum resultado e algum fluido é drenado, o risco de infecções aumenta e o cisto irá se encher novamente.

Caroço na pele pode ser cisto sebáceo?

Se esse caroço for da cor da pele, indolor,  eliminar uma secreção e o cisto “esvaziar”, mas depois inchar e esvaziar de novo é possível que se trate de um cisto sebáceo sim. 

No entanto, existem muitas lesões que podem se assemelhar a um cisto sebáceo.

Se você tem uma lesão que parece ser um cisto sebáceo, procure um médico dermatologista que poderá fazer o diagnóstico correto e indicar o melhor tratamento.

Causas

O cisto sebáceo é formado pelo acumulo de substâncias naturalmente presentes na pele como queratina e sebum. Em situações normais nosso corpo reabsorve essas substâncias espontaneamente. 

No entanto, quando células protetoras da camada superficial da pele morrem e migram para camadas mais profundas, elas impedem que a queratina e o sebum sejam reabsorvidos. Na tentativa de isolar esse acumulo, o organismo cria uma espécie de capsula protetora.

Esse processo resulta no aparecimento de uma protuberância por baixo da pele. Está formado, o cisto. Os motivos que levam essas células de pele a se comportar diferente do esperado, e causar tudo isso, são diversos e em sua maioria, naturais e inevitáveis. Iremos listar alguns.

Os motivos que levam essas células de pele a se comportar diferente do esperado, e causar tudo isso, são diversos e em sua maioria, naturais e inevitáveis.

Problemas nos folículos pilosos

O folículo piloso é uma estrutura dérmica capaz de produzir um pelo. Quando um desses folículos é lesionado ou danificado de alguma forma, ele se torna um candidato para um local onde substâncias da pele podem se acumular e formar um cisto sebáceo.

Ruptura de glândula sebácea

As glândulas sebáceas são responsáveis pela produção de sebo, para lubrificação da pele (suor). Quando uma dessas glândulas é lesionada ou rompida é possível que um acúmulo local de sebo e outras substâncias leve a formação de um cisto sebáceo.

Quem sofre com acne frequente, tem um fator de risco maior para o rompimento de glândulas sebáceas, e portanto, também de desenvolver um cisto sebáceo.

Problemas congênitos

Cistos sebáceos, podem também ser congênitos, ou seja, terem se formado durante o desenvolvimento intra-uterino do individuo. 

Doenças inflamatórias

Algumas doenças inflamatórias da pele favorecem o aparecimento de cistos sebáceos, justamente por danificar os folículos pilosos e as glândulas sebáceas. Podemos citar como exemplo a hidrosadenite supurativa, que causa cistos principalmente nas axilas e virilhas.

Sintomas de Cisto Sebáceo

Os cistos sebáceos normalmente não causam nenhum sintoma. Porém, quando inflamam ou infeccionam, podem ficar dolorosos, quente, vermelhos, e sofrer saída de secreção purulenta. 

Contudo, é válido listarmos suas características básicas para facilitar sua identificação.

Nódulos pequenos e redondos que podem ser movidos com os dedos
Quando apresentam diferenças da coloração da pele, sua cor fica branca ou amarelada
Seu tamanho vária de poucos milímetros até 6 centímetros de diâmetro
Em alguns casos uma abertura central pode ser percebida

Quando Buscar Ajuda Médica?

A maior parte dos cistos sebáceos não incomodam e não causam complicações, portanto também não requerem tratamento algum. No entanto, você deve procurar um dermatologista caso queira um diagnóstico assertivo, e especialmente caso alguma das situações listadas abaixo aconteça.

  • Crescimento acelerado do cisto
  • Rompimento da pele com liberação de material amarelado
  • O cisto se tornar doloroso, ou inflamar
  • O cisto estiver localizado em local de trauma frequente
  • Incomodo estético

Diagnóstico do Cisto Sebáceo

O diagnóstico é feito através de exame físico, realizado durante a consulta médica.

Inicialmente, o dermatologista irá ouvir seus sintomas e poderá fazer diversas perguntas para auxiliar no diagnóstico, sobre o:

  • Surgimento dos primeiros sintomas
  • Aparecimento de nódulos
  • Histórico de sintomas similares
  • Histórico de acne
  • Desconforto causado pelos cistos
  • Incômodos estéticos
  • Lesões cutâneas recentes
  • Histórico familiar de cistos

Essas informações acompanhadas pela palpação do cisto, são suficientes para o diagnóstico. No entanto, se o médico tiver dúvidas sobre a natureza da protuberância, alguns exames podem ser solicitados para ajudar no diagnóstico.

Ultrassonografia

O ultrassom está cada vez mais sendo usado para a avaliação inicial de massas de tecidos moles. A localização anatômica, se mais superficial ou profundo, e a relação com as estruturas vizinhas são avaliadas idealmente com ultrassom e podem ser visualizadas com segurança características como tamanho e margens.

 

Tomografia computadorizada

A tomografia desempenha um papel essencial no diagnóstico de cistos epidermóides e na determinação da estratégia de excisão cirúrgica, principalmente nos cistos maiores.  A tomografia é rápida e econômica em comparação com estudos de ressonância magnética com contraste, mas a ressonância magnética pode ser superior no delineamento de tecidos moles e envolvimento vascular para o planejamento cirúrgico. A aspiração por agulha fina guiada por tomografia também é benéfica para o diagnóstico.

Biópsia

Se não for possível ter certeza sobre a natureza do cisto com os exames não invasivos mencionados acima, pode ser necessária uma biópsia. Exame em que uma amostra do tecido é cortada e enviada para análise em laboratório.

Através desses exames é possível ter certeza que o nódulo realmente se trata de um cisto sebáceo e é, portanto, benigno. Com essa confirmação, o dermatologista irá junto a você buscar entender as melhores estratégias para o tratamento.

Tratamento de Cisto Sebáceo

Como já mencionamos, na grande maioria dos casos, tratamento algum é necessário, pois o cisto é indolor e inofensivo. Por isso, não há muito com o que se preocupar, já que não há prejuízos à saúde ou à qualidade de vida.

No entanto, para casos onde o paciente se sente desconfortável em continuar com o cisto, seja por inflamações e dores, ou pelo aspecto estético, uma cirurgia simples pode ser realizada para remoção do mesmo. 

A intervenção cirúrgica é também recomendada para cistos que medem mais de 1 centímetro, ou que estão infectados.

Cirurgia

A cirurgia é simples e pode feita em consultório médico sob anestesia local, com material estéril.

A remoção pode ser realizada por simples excisão cirúrgica completa do cisto com a parede do cisto intacta. Em alguns casos é possível uma incisão menor, expressão manual da secreção e remoção da cápsula vazia com uma pinça ou tesoura. Na grande maioria das vezes, alguns pontos podem ser necessários para fechar o local operado, e é possível que uma cicatriz seja formada.

É importante que a cápsula seja retirada por completo, caso isso não seja possível, o cisto se formará novamente. Isto pode acontecer nos cistos muito inflamados, naqueles que inflamaram várias vezes em que houve a formação de tecido cicatricial.

Em caso de recorrência, pode haver uma necessidade de nova abordagem. 

Tratamentos alternativos

Alternativas menos intrusivas podem ser tentadas para o alívio de inflamações e dores em cistos sebáceos.

Drenagem

A drenagem é um procedimento, mais simples, e menos invasivo que a cirurgia. 

Pode ser útil nos cistos infectados e associado a muita dor. Nesses casos, uma incisão inicial e drenagem podem ser realizados com potencial de recorrência no futuro.

A situação se resolve por um tempo, porém o cisto quase sempre volta a se formar. Isso acontece, por que a capsula não foi completamente removida.

Em caso de uma infecção bacteriana, antibióticos orais podem ser receitados.

 

 

Injeção de corticosteroides

Além disso, a injeção de corticosteroides dentro do cisto pode ajudar a diminuir o tamanho e evitar inflamações. Substâncias como a cortisona atuam de forma semelhante aos hormônios anti-inflamatórios do nosso corpo e reduzem o inchaço e a dor.

Os cistos são assintomáticos, e tem crescimento lento, quase que imperceptível.

Convivendo Com Um Cisto Sebáceo

Para quem não deseja se submeter a procedimentos intrusivos, não sofrer inflamações ou se incomodar esteticamente com o nódulo, conviver com o cisto sebáceo não é desafiador.

Os cistos são assintomáticos, e tem crescimento lento, quase que imperceptível. Para uma “boa convivência” basta adotar medidas simples como não espremê-los.

Lidando com inflamações

A melhor coisa a se fazer no caso de uma inflamação é a aplicação de compressas de água quente que podem ajudar a diminuir a dor e reduzir o conteúdo do cisto.

O calor derrete o material gorduroso do cisto sebáceo e promove a dilatação das células, ambos os efeitos facilitam a saída espontânea do conteúdo do nódulo, e sua reabsorção pelo organismo, reduzindo a inflamação e consequentemente a dor.

Medicamentos para cisto sebáceo

Embora não existam medicamentos específicos para o tratamento de cistos sebáceos, alguns dermatologistas receitam corticosteroides para promover o alívio durante inflamações, como:

  • Prednisona
  • Prednisolona
  • Dipropionato de Betametasona

O uso desses e de quaisquer outros anti-inflamatórios deve ser feito exclusivamente sob orientação médica.

Cisto Sebáceo Tem Cura?

Cistos sebáceos só podem ser retirados através de intervenções cirúrgicas e drenagens, como discutimos na seção tratamentos.

No entanto, é perfeitamente possível conviver com eles e tomar os cuidados básicos para que não evoluam para complicações mais graves.

Complicações possíveis

Um cisto pode se tornar um problema mais grave em situações de: ruptura, infecção, aumento de tamanho, e trauma. 

Vale lembrar que nesses casos um médico dermatologista deve ser consultado. Em especial se o cisto estiver em crescimento acelerado, ou se seu diâmetro exceder 6 centímetros. Uma evolução maligna de cistos sebáceos é bastante rara, mas alguns casos já foram registrados.

Prevenção

Como as causas para a formação de um cisto sebáceo são naturais, diversas e cotidianas, não há como impedir seu surgimento. Contudo, evitar lesões e danos a pele pode sim ajudar

Portanto, use protetor solar com frequência, sempre que for se expor ao sol, e renove a cada 3 horas de exposição.

Evite machucados e lesões. De forma geral, cuide bem da sua pele.

Diante dos sintomas aqui apresentados, não deixe de entrar em contato para agendar a sua consulta.

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica Especialista em Dermatologia pela SBD. Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês. Pós-Graduação em Pesquisa Clínica - Principles and Practice of Clinical Research - Harvard Medical School (EUA).

Deixe o seu comentário