Como tratar das assaduras de fraldas em bebês

Muitos bebês sofrem com assaduras de fraldas, mas nem por isso podemos tratar este problema como normal e esperado. Você sabia que essas assaduras são um tipo de dermatite? Pois é, de acordo com dermatologistas, ela é chamada “eczema das fraldas” ou “dermatite das fraldas”.

As assaduras ocorrem devido a uma reação inflamatória da pele do bebê ao entrar em contato com a fralda, ocasionando a irritação. 

Na verdade, nem sempre é a fralda a culpada, algumas crianças possuem a pele mais sensível e por isso demonstram reações pelo contato com a própria urina ou fezes, por exemplo.

A condição pode ainda ser uma reação alérgica a um componente da fralda ou a algum produto utilizado para higienização da criança. Neste caso, é essencial identificar e afastar o agente alérgeno. 

É normal que a mamãe se sinta em dúvida sobre a causa da reação, muitas vezes simplesmente associando o problema a fralda e trocando de marcas inúmeras vezes sem conseguir resolver a situação. 

Vamos falar mais sobre isso, entender o que é a dermatite da fralda, como ela pode se diferenciar de outros distúrbios similares, e principalmente, como tratar e prevenir assaduras em bebês.

A assadura é uma lesão dermatológica provocada de forma direta ou indireta pelo uso de fraldas.

Dermatite da frauda, eritema da frauda, eczema da frauda ou simplesmente assadura, conforme você preferir, é uma condição bastante comum, caracterizada pela irritação da pele do bebê em áreas que ficam cobertas pela fralda. 

Embora muitas pessoas associem o problema a negligência ou a falta de higiene dos pais da criança, e sim, em alguns casos ele se relacione ao fato do bebê passar tempo prolongado em contato com suas fezes ou urina, não podemos resumir a condição a isso. 

A assadura é uma lesão dermatológica provocada de forma direta ou indireta pelo uso de fraldas.

Como a pele da criança passa muito tempo em contato com o tecido da fralda durante seus primeiros anos de vida, uma resposta imunológica não é tão inesperada.

Mesmo adultos quando passam por situação similar podem manifestar alguns sintomas. 

Essas lesões possuem seu pico de incidência entre os e 3 os 12 meses de vida, mas também podem aparecer em idosos que necessitam fazer uso de fraldas geriátricas, os motivos seriam exatamente os mesmos. 

Além do contato excessivo com a pele, devemos considerar outro fator comum tanto aos bebês como a indivíduos já na terceira idade: uma pele mais sensível. 

A pele da criança é mais fina e por isso também mais vulnerável, o que a torna mais suscetível à lesões físicas, químicas e mecânicas.

Sintomas: Gravidade da Assadura

Você provavelmente sabe como reconhecer uma assadura. No caso das assaduras de fraldas, elas localizam-se especificamente nas regiões onde a pele entra em contato com o tecido da fralda, e apresentam como sintomas vermelhidão, inchaço, descamação e até mesmo rachaduras na pele. 

A irritação pode causar ainda dor, ardência e pinicação, principalmente depois do contato com as substâncias agressoras, como no momento da troca de fraldas, da higienização ou do banho. 

A sintomatologia é um bom indicativo da gravidade do problema, veja:

Assaduras leves:

A pele do bebê fica avermelhada e com um aspecto brilhante, indicando ressecamento. Mesmo nestes casos mais simples pode haver descamação.

Assaduras moderadas:

As assaduras moderadas irão requerer um cuidado um pouco maior. Isso porque o quadro já é marcado por pequenas feridas com bolhas ou bordas esbranquiçadas sobre a pele nas áreas de fralda. O tratamento deve ser iniciado o quanto antes para evitar possíveis infecções.

Assaduras graves: 

Geralmente, as assaduras graves não surgem do nada, elas são resultado de tratamentos inefetivos de assaduras mais simples ou mesmo da negligência dos pais, que simplesmente não percebem a evolução do caso. 

Os sinais de gravidade são lesões maiores, como úlceras, que podem provocar sangramento e apresentam grande risco de infecções. O acompanhamento médico é essencial.

Causas

A dermatite da fralda não é uma lesão única, mas pode ter diferentes causas, as quais precisam ser identificadas para que seja possível um tratamento adequado, e portanto, efetivo. 

Dentre suas causas mais comuns, podemos citar: 

  • Contato prolongado da pele com fralda com urina ou fezes
  • Atrito de fraldas de tamanho inadequado com a pele do bebê
  • Excesso de umidade causado pelo suor nas áreas cobertas pela fralda
  • Dermatite de contato pelo plástico da fralda
  • Dermatite de contato por substâncias químicas que compõem a fralda
  • Brotoejas causadas pelo calor dentro das fraldas
  • Dermatite seborreica 
  • Infecção por fungos
  • Infecção por bactérias

É possível que estejam presentes mais de uma das causas exemplificadas acima.

Destacamos ainda a ação das fezes e da urina como causa mais comum de assaduras de fraldas.

As bactérias presentes nas fezes e na urina metabolizam a ureia, produzindo como resultado amônia. A amônia é uma substância extremamente ácida, ou seja, capaz de aumentar o pH do meio, aproximando-o do pH do estômago. Com isso, são ativadas enzimas digestivas presentes nas fezes, que acabam afetando as proteínas e as gorduras na pele. 

Todo esse processo resulta numa reação do sistema imunológico na tentativa de proteger o organismo, o que produz inflamação. 

Você deve se lembrar bem dos sintomas de uma inflamação: vermelhidão, calor, inchaço e dor. Exatamente o quadro descrito anteriormente. 

Há ainda um agravante. O aumento da temperatura da região provocado pelo processo inflamatório, aumenta as chances de infecção, já que torna a área propícia a fungos e bactérias, como Candida albicans, por exemplo. 

Entende porque é tão importante o tratamento adequado de assaduras de fraldas em bebês?

Vamos falar mais sobre isso a seguir.

Nossa orientação é que procure pelo pediatra do seu filho ou um dermatologista de sua confiança para que a situação seja avaliada e o tratamento orientado.

Como cuidar das assaduras

O tratamento para assaduras de fralda dependerá muito de cada caso, da causa do problema e da gravidade da lesão. Nossa orientação é que procure pelo pediatra do seu filho ou um dermatologista de sua confiança para que a situação seja avaliada e o tratamento orientado. 

Em alguns casos podem ser necessárias medicações de uso local ou oral para amenizar a inflamação e melhorar os sintomas.

Mais uma vez ressaltamos a importância do cuidado com este tipo de dermatite. Se não for tratada, pode favorecer infecção por fungos e bactérias. Além disso, existem doenças semelhantes a assaduras como dermatite seborreica, deficiência de zinco e outras que também precisam ser diagnosticadas e tratadas. Na dúvida, sempre procure um médico.

Evite utilizar fórmulas caseiras para tratar assaduras, pois não são indicadas e podem ter substâncias irritantes, deixando o problema mais complicado e trazendo mais sofrimento para o bebê. 

Você precisará ainda ter alguns cuidados durante o tratamento.

Não deixe o bebê com fralda molhada

Muitos pais esperam a fralda encher de urina antes de trocarem seus bebês, isso é normal, já que o xixi parece menos incômodo. No entanto, as fraldas não evitam o contato da urina com à pele, e como vimos, esse contato está longe de ser saudável. 

Por isso, recomendamos que troque seu bebê todas às vezes que perceber que sua fralda está molhada, mesmo que seja apenas um xixizinho.

Evite utilizar lenços umedecidos para limpar o bebê

Sempre que possível, lave as genitais da criança ao invés de higienizá-las com lenços umedecidos. Embora cheirosos e super práticos, esses lenços podem ressecar a pele, favorecendo irritações. Água morna e um sabonete neutro são as opções ideais para fazer a limpeza. Se não quiser molhar a criança, use um algodão macio.

É claro que nem sempre será possível adotar este procedimento. Tudo bem usar um lenço quando estiver fora de casa ou, uma vez ou outra, mas dê preferência ao método aqui recomendado.

Use fraldas folgadas

Fraldas justas aumentam o atrito entre a pele e o tecido, por isso, como consequência, também aumentam as chances de haver irritação da pele. Prefira fraldas mais largas, o bebê se sentirá mais confortável e você prevenirá as temíveis assaduras de fraldas.

Deixe o seu bebê um tempo sem fraldas

Por mais desafiador que seja para os pais, que podem acabar tendo o trabalho de limpar um xixizinho aqui ou um cocôzinho ali, deixar a criança sem fraldas por um tempo é muito importante e auxilia na recuperação das áreas afetadas, já que permite uma maior ventilação.

Use um creme protetor de pele

Os cremes protetores para a pele podem ajudar. Sempre use o produto indicado pelo médico que cuida do seu bebê, especialmente em casos de lesões. Compostos com petrolato, calêndula e óxido de zinco são ótimos e ajudam a tratar a ferida.

Faça infusão de camomila no banho

A camomila é um ótimo calmante, por isso a infusão pode ser uma boa opção para ajudar o seu bebê. Dilua três saches em meio litro de água fervente, tampe e deixe amornar. Descarte os saquinhos e despeje o líquido na banheira. Certifique-se de que a temperatura da mistura está agradável. 

Feito isso, basta colocar a criança na banheira e seguir um banho normal. Deixe o bebê passar um tempo com a assadura imersa na água, a temperatura da água e a camomila amenizarão significativamente o seu desconforto.

Como evitar

Para evitar as assaduras:

  • Deixe o bebê sempre limpo e seco.
  • Lave suas mãos antes e após limpar o bebê.
  • Limpe atenciosamente todos os traços de fezes.
  • Não esfregue a pele do bebê, em alguns casos o sabonete líquido é recomendado, pois não tem atrito como o sabonete de barra.
  • Retire toda água das dobrinhas da criança.
  • Não deixe a criança úmida, troque as fraldas com frequência.
  • Observe o tipo da fralda (descartáveis ou de pano). As opções descartáveis precisam encaixar na cintura e pernas para não vazar.
  • Para os bebês de poucas semanas, use algodão prensado e soro fisiológico 0,9% para limpeza.
  • Use uma camada fina de creme na pele após a troca de fralda, em especial depois do banho nas dobras e sulcos da pele.
  • Mantenha a higiene e troque as fraldas com frequência e nunca deixe a criança com fezes e urina nas fraldas.

O que mais pode causar lesões avermelhadas na área da fralda?

Nem sempre pele avermelhada, ressecada e descamando é sinal de assadura de fraldas. Como vimos anteriormente, existem outros problemas que podem levar a quadros similares, até por isso a investigação médica é tão importante. 

A seguir apresentaremos outras três condições muito comuns em bebês que costumam ser confundidas com dermatites de fraldas. É preciso reconhecer cada uma delas para tratá-las de maneira eficaz.

Impetigo

O impetigo é um problema bastante comum entre as crianças. Se trata de uma infecção bacteriana contagiosa da pele que pode surgir na área da fralda, mas também em outras partes do corpo como nas mãos e até no rosto. 

As lesões provocadas pela doença lembram pequenas espinhas, mas possuem bordas grossas cor de mel, que podem virar bolhas. Algumas pessoas relatam forte prurido na região. 

É preciso muito cuidado, pois os pais podem acabar se contaminando enquanto cuidam dos pequenos. Cremes antibióticos e sabão antibacteriano são utilizados no tratamento.

Dermatite seborreica

A dermatite seborreica é mais popular entre os adultos, mas também pode afetar a pele de bebês. Seus sintomas incluem manchas ásperas e avermelhadas na pele com escamas brancas ou amarelas e podem aparecer na região da virilha. 

Geralmente, são recomendadas pomadas de cortisona ou hidrocortisona nas áreas afetadas, além é claro da manutenção do bebê sempre limpo e seco.

Brotoeja

A brotoeja é um problema bem comum em bebês, em especial durante os três primeiros meses de vida. Sua principal causa é a transpiração, que acaba se acumulando na pele e causando sua irritação. 

O quadro é caracterizado por pequenas erupções salientes e avermelhadas sobre a pele que aparecem nas regiões de dobras da área da fralda, em especial onde o revestimento plástico da fralda toca a pele.

Muitas vezes a condição tem relação com o excesso de agasalhos usados em recém nascidos, o que embora tenha como objetivo protegê-los, pode acabar gerando problemas. 

Em todo o caso, fique sempre atento aos sinais de irritações na pele do seu filho e se preciso, consulte um pediatra ou um dermatologista de sua confiança!

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica Especialista em Dermatologia pela SBD. Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês. Pós-Graduação em Pesquisa Clínica - Principles and Practice of Clinical Research - Harvard Medical School (EUA).

Deixe o seu comentário