Artigo

Onicofagia: hábito de roer as unhas

Roer a unha pode parecer normal. Mas muitos desconhecem os danos que pode causar à saúde se isso se tornar um hábito compulsivo.

O que é onicofagia?

A onicofagia, ou hábito de roer as unhas, é comum, observado em crianças e adultos. As etiologias sugeridas para a onicofagia incluem ansiedade, estresse, solidão, tédio, imitação de outro membro da família, hereditariedade, inatividade, transferência de um hábito de chupar o dedo e unhas mal cuidadas.

O tratamento deve ser direcionado para as causas; punição, ridicularização, importunação e ameaças, e aplicação de preparações comerciais de gosto amargo na unha são uma variedade de lembretes, mas não são abordagens apropriadas para o tratamento. A chave para o sucesso é o consentimento e a cooperação da pessoa.

Roer unhas não é uma condição patológica em todos os tempos e todos os clientes. No entanto, não é exatamente claro onde a fronteira entre o comportamento saudável e insalubre da onicofagia é.

Roer unhas em crianças saudáveis é temporário e não dura muito tempo. A frequência, intensidade e duração da onicofagia patológica são maiores que em indivíduos normais. Incertezas para a distinção de onicofagia patológicos e não patológicos também se refletem na classificação dos transtornos psiquiátricos.

Enquanto alguns problemas comportamentais, como a tricotilomania, são classificados como um transtorno do controle dos impulsos no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quarta Edição (DSM-IV), a onicofagia não é classificado no DSM-IV. A picada também pode ser classificada como auto Comportamento injurioso, como a escolha patológica da pele ou como um distúrbio de movimento estereotípico. Outros acreditam que a onicofagia faz parte do espectro do transtorno obsessivo-compulsivo.

 

Qual idade acomete?

Na maioria dos casos, o problema não é observado antes dos 3 ou 4 anos. Maior incidência é vista entre as idades de 4 e 6; estabiliza de 7 a 10 e aumenta consideravelmente durante a adolescência.

Esses jovens quase deixaram a infância, mas ainda não são adultos. Para a maioria dos adolescentes, isso é difícil e até uma passagem traumática.

A incidência de roer unhas é relativamente igual até 10 anos, mas depois disso, mais meninos do que meninas têm o hábito de roer unhas.

 

Etiologia da onicofagia

A causa básica da onicofagia é difícil de determinar. Embora as pessoas que roem unhas tenham mais ansiedade que aqueles sem o hábito, não foi encontrada diferença significativa ao relacionar onicofagia à ansiedade. Outros explicam como uma tendência familiar, provavelmente devido à imitação.

Muitas pessoas roem as unhas em momentos de estresse. As crianças fazem isso em momentos de angústia, ou quando não conheçam uma lição, leiam histórias tristes, ouçam histórias de terror, ou são “forçados” a ir para a cama à noite.

 

Tratamento

Remédios antigos projetados especificamente para evitar roer unhas, como a aplicação de produtos de sabor amargo nas unhas, são geralmente ineficazes.

Intervenções físicas que bloqueiam o contato entre a boca e as unhas, como luvas, meias e dispositivos do tipo retentivo ou de mordida, podem servir de impedimento para morder ou lembretes para não morder.

O tratamento em casos graves também deve se concentrar na redução ou remoção dos fatores emocionais associados à picada da unha.

Terapia comportamental cognitiva, com treinamento de reversão do hábito e relaxamento muscular progressivo, e aceitação e terapia de compromisso, com uma técnica de auto-ajuda conhecida como desacoplamento de movimento, tem se mostrado benéfica em alguns casos de psicoterapias.

Qualquer tratamento bem-sucedido de onicofagia requer a permissão e cooperação da criança ou adulto que está roendo as unhas, com reforço positivo e acompanhamento de rotina.

Agende uma avaliação através do nosso WhatsApp

Dra. Juliana Toma – Médica Dermatologista pela Universidade Federal de São Paulo – EPM

Clínica no Jardim Paulista – São Paulo – SP

Dra. Juliana Toma

CRM-SP: 156490 / RQE: 65521. Médica Especialista em Dermatologia pela SBD. Residência Médica em Dermatologia pela UNIFESP - Universidade Federal de São Paulo. Pós-Graduação em Dermatologia Oncológica pelo Instituto Sírio Libanês. Pós-Graduação em Pesquisa Clínica - Principles and Practice of Clinical Research - Harvard Medical School (EUA).

Deixe o seu comentário

Abrir chat
Agende sua avaliação